• Assoc. Pediátrica Viana

Tribos urbanas: Piercings e tatuagens

A moda das tatuagens surgiu há muitas anos atrás em tribos Indonésias e da Nova Zelândia que as exibiam com motivos religiosos. O nome “tattoo” está relacionado com o som feito durante a execução da tatuagem, em que se utilizavam ossos finos como agulhas e uma espécie de martelinho para introduzir a tinta na pele.


Já os piercings apresentam outra história. Os povos esquimós do Alasca faziam piercings no lábio e língua, significando esse o momento de transição para o mundo adulto. Também os Maias, os egípcios e os povos da Papua-Nova-Guiné utilizavam o piercing por motivos culturais diferentes.



Hoje em dia estima-se que na União Europeia 12% das pessoas sejam clientes dos serviços de tatuagens ou piercings. A população adolescente é uma das grandes consumidoras destes serviços. As tatuagens e os piercings são usadas enquanto afirmação de personalidade e formas de expressão, e são cada vez mais populares. Mas é importante que os jovens conheçam os seus potenciais riscos para a saúde.


Tatuagens:

Existem 2 métodos de tatuar:

  1. Tatuagem com máquina elétrica

  2. Henna

1 - Implica pica a pele com a seringa centenas de vezes por minuto, ficando o pigmento alojado na derme. “Permanente”;

2 - Utiliza pigmentos de plantas e é uma tatuagem temporária;





Riscos e complicações das tatuagens:

O grande número de tatuagens realizadas todos os dias e a existência de poucas complicações relatadas, permitem concluir 2 situações: as complicações são raras, as complicações após tatuagem existem!


Infeções cutâneas são as mais frequentes mas existem relatos de problemas vasculares e de inflamação ( vasculites) e mesmo neoplasias ( tumores). O local da tatuagem pode ficar com “ inchaço e comichão” e formar pequeno “papos”, que resultam hipersensibilidade a produtos da tinta. Crianças com diagnóstico de psoríase, Lúpus ou Sarcoidose devem evitar tatuagem por risco aumentado de complicações cutâneas.


As infeções podem ser provocadas por bactérias, fungos ou mesmo vírus. As infeções víricas são a hepatite B, C e VIH que podem acontecer por uso de seringas contaminadas. Quando a infeção é localizada, o local da tatuagem pode ficar quente, vermelho, “duro” e pode necessitar de antibiótico local ou mesmo sistémico.


Outro problema é poder dar-se a situação, rara na idade pediátrica, de a tatuagem ocultar crescimentos anormais de “sinais” e impedir a deteção de neoplasias cutâneas.


Relativamente às tatuagens temporárias, apesar de o risco de complicações ser inferior, algumas reações de hipersensibilidade à tinta podem acontecer. São desaconselhadas em adolescentes com pele atópica ou história de alergias.


“Apagar” a tatuagem


Existem várias técnicas de tentar eliminar uma tatuagem, sendo a utilização de raios-laser a mais utilizada. Estes raios-laser destroem as partículas de pigmento. Outras técnicas envolvem mecanismos mecânicos e químicos mas que resultam muitas vezes em “pele mais escura” e cicatrizes. Existem clínicas de remoção de tatuagens em Portugal mas é necessário que os adolescentes e seus familiares percebam que os resultados são variáveis! A própria técnica de remoção pode provocar ainda mais dano na pele! O custo de “ apagar” uma tatuagem é muitas vezes superior ao de fazer uma. Sendo por vezes necessárias várias sessões sem os resultados esperados.


Piercings


Hoje em dia, adolescentes usam piercings na orelha, nariz, língua, etc enquanto acessório de moda.

Alguns piercings entram e saem do corpo, enquanto outros apenas vemos uma ponta. Muitos materiais e formas podem compor um piercing.




Riscos


Os piercings podem ter efeitos negativos especialmente nos mais suscetíveis a infeções como adolescentes com diabetes ou que tomam corticoides e em adolescentes que tomem medicamentos anti-coagulantes.


Os piercings podem provocar algumas reações locais como: infeções, hematomas, quistos, reações alérgicas e formação de queloides ( tecido de cicatriz produzido em excesso no local do piercing).


Portugal e as leis


Em Portugal não há legislação sobre idade mínima ou necessidade de autorização dos pais para tatuagens, ao contrário do que acontece, por exemplo, no Reino Unido onde são proibidas em menores de 18 anos.


  1. A maioria das lojas de tatuagens e piercings assumem os 14 anos como idade mínima para que um jovem possa fazer uma tatuagem.

  2. Geralmente, só a partir dos 18 anos é que estas manipulações podem ser feitas sem a autorização dos pais.


Na Alemanha, Áustria e França, entre outros, há um sistema de vigilância dos efeitos adversos das tintas, à semelhança do que existe para os medicamentos e cosméticos.

Em Portugal a vigilância regulada das tatuagens não existe, sendo reservada para casos particulares de poucos tatuadores que marcam consultas de reavaliação da tatuagem.


Autores: André Costa e Silva, Sandrina Martins, Serviço de Pediatria da ULSAM


76 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo