• Assoc. Pediátrica Viana

O meu filho/a pode ter Covid-19. E agora?




O Covid-19 e a Pediatria

A doença Covid-19 pode surgir na idade pediátrica sem sintomas, com sintomas leves ou moderados. Os casos de doença grave são pouco frequentes nesta faixa etária. Isto significa que a grande maioria das crianças/adolescentes terão sintomas semelhantes às das infeções que já terão tido previamente ao longo da vida: febre, tosse, dor de garganta, ranho no nariz, dores no corpo, de cabeça, diarreia ou vómitos.

Por outro lado, a criança infetada é uma “bomba relógio”. Por ter sintomas ligeiros, muitas vezes desvalorizados ou identificados como sendo outra infeção mais comum, mantêm a atividade diária normal e o contacto com os restantes familiares. Isto provoca a disseminação do vírus por pessoas com potencial de ter doença mais grave, como os avós ou membros da casa com doenças crónicas. A criança tem ainda a particularidade de ser pouco colaborante nas medidas de controlo de propagação do vírus: não fazem bem a lavagem das mãos, espirram e tossem sem aviso e sem proteção, correm e tocam em todas as superfícies, e choram - um simples facto que espalha o vírus facilmente.

Por estas razões, é importante saber o que deve fazer e como deve proteger o seu filho/filha, bem como os restantes habitantes da sua casa.


Quando é que é suspeito de ter Covid-19?


A partir do dia 26.03.2020, passou a ser considerado suspeito de Covid-19 toda a pessoa, dos 0 aos 100 anos, com:

  • Febre (T≥38.0ºC) OU

  • Tosse (persistente ou diferente do habitual) OU

  • Dificuldade em respirar


Embora estes não sejam os únicos sintomas ligados ao Covid-19, são aqueles mais frequentes e os que poderão desencadear problemas mais graves. Os doentes com estes sintomas passarão a ser testados sempre que for dada essa recomendação pelos profissionais de saúde competentes.

Os doentes que precisam de ficar internadas, que tenham doenças crónicas, ou que vivam com familiares acima dos 65 anos ou grávidas, terão prioridade na realização do teste, sempre que esta questão se colocar.


É importante reter que NÃO ESTÁ RECOMENDADO ir ao Hospital sempre que apareça um destes sintomas. Isto porque, das duas uma:


Tem Covid-19 e corre o risco de infetar pessoas mais vulneráveis
Não tem Covid-19 e corre o risco de o apanhar no ambiente hospitalar e colocar em risco o seu filho/a


Apenas está recomendada a observação médica em casos de risco, nomeadamente:

  • Mau estado geral (prostração e pouca atividade em períodos sem febre, irritabilidade constante, não consolável)

  • Sinais de dificuldade em respirar (covinhas entre costelas, asas do nariz a abrir e fechar)

  • Febre com mais de 3 dias difícil de controlar com doses adequadas de medicação

  • Tosse persistente

  • Comer menos de metade do habitual e não beber líquidos

  • Vómitos ou diarreia persistentes com desidratação associada


No entanto, deverá LIGAR À LINHA SNS24 (808 24 24 24) sempre que surja a dúvida: ir ou não ao Hospital/Centro de Saúde? Deverá ligar para este número e ter paciência até ao seu atendimento. Os profissionais estão a fazer os possíveis para dar resposta a todos os pedidos e é importante seguir as suas orientações.


Sempre que possível e houver essa disponibilidade, poderá entrar em contacto direto com o seu Médico de Família/Pediatra ou outras linhas de saúde abertas para a orientação do Covid-19. Estes poderão eventualmente tranquilizá-lo e aconselhar ou não a chamada à linha SNS 24.



Contacto com SNS24. Quais as possíveis recomendações?


No contacto com o SNS24, ser-lhe-á feita uma série de questões e pedidos (nome, número de utente, morada e número de telemóvel), após as quais será dada uma de quatro recomendações dependendo dos sintomas, sua evolução e gravidade. Estes são:

  • Ficar em isolamento no domicílio (em CASA), sob vigilância

  • Recorrer ao Centro de Saúde e ser observado pelo Médico Assistente

  • Recorrer ao Serviço de Urgência do hospital de referência e ser observado por Pediatria

  • Aguardar em casa pela equipa de Emergência Médica


Isolamento no domicílio sob vigilância



Esta indicação será dada sempre que os sintomas forem ligeiros-moderados e não houver indicação para observação médica imediata ou internamento. No entanto, não ficará “esquecido”. Dar-lhe-ão recomendações para ISOLAMENTO EM CASA e deverá ter consigo um telemóvel acessível:

  • A equipa de saúde entrará em contacto consigo até 24h após a ligação ao SNS24 para monitorizar os sintomas e a sua evolução

  • Poderá ter indicação para realizar o teste EM CASA ou em ESPAÇOS PRÓPRIOS para o efeito. Essa orientação ser-lhe-á dada pela equipa de saúde via telefone.

  • Caso faça o teste, aguarda o resultado EM CASA, em isolamento e irá receber o resultado via telefone

  • A equipa de saúde manterá contacto telefónico até resolução de sintomas ou até um resultado negativo do teste efetuado. Caso haja agravamento dos sintomas ou aparecimento de sinais preocupantes, ser-lhe-ão dadas as orientações adequadas nesse sentido, nomeadamente encaminhamento para um Serviço de Urgência


Avaliação no Centro de Saúde


Se lhe for dada a recomendação de recorrer ao Centro de Saúde, deve fazê-lo em VEÍCULO PRÓPRIO. O recurso a ambulância apenas deverá ser solicitado se não houver possibilidade de transporte particular. NÃO DEVERÁ USAR TRANSPORTES PÚBLICOS.

No Centro de Saúde (CS) será avaliado por um médico numa área específica. Será fornecida uma máscara para si e para o seu filho/a, devendo ir sempre APENAS UM acompanhante.


O Médico de Família, após observação, irá dar uma de três orientações:

  • Não considera suspeito e dá alta com recomendações específicas caso-a-caso

  • Considera suspeito sem gravidade, mas com critérios para realizar teste: faz colheita no CS quando possível ou é encaminhado para a sua realização em locais/laboratórios próprios. Neste caso, terá alta com recomendações gerais e de isolamento EM CASA, onde aguarda o contacto via telefone da equipa de saúde que o irá informar do resultado do teste e irá manter vigilância dos sintomas

  • Considera suspeito com necessidade de encaminhar para um serviço de Pediatria hospitalar


Avaliação no Serviço de Urgência Hospitalar


Quer venha de casa ou de um Centro de Saúde, deve fazê-lo em VEÍCULO PRÓPRIO. O recurso a ambulância apenas deverá ser solicitado se não houver possibilidade de transporte particular. NÃO DEVERÁ USAR TRANSPORTES PÚBLICOS.


Ao chegar ao Hospital, será encaminhado para a ala Pediátrica, pronta para receber crianças/adolescentes suspeitas de Covid-19. Os profissionais lá presentes estarão equipados com a máxima proteção. Deverá explicar à criança que o médico vai estar “disfarçado” e não com a habitual bata branca.


Apenas poderá entrar um acompanhante com a criança ou adolescente.


Ser-lhe-ão dadas máscaras para ambos utilizarem. Em menores de 3 anos, a colaboração no uso da máscara é difícil, mas deverá ser tentada. Caso não seja possível, deverá tentar manter a distância de segurança dos outros doentes (1-2 metros, sempre que possível). Em maiores de 3 anos, deverá ser explicada à criança a importância da sua utilização para sua proteção e dos outros meninos.


Será devidamente avaliado pelo Pediatra. Saiba que será evitada a observação da boca, pelo maior risco de contaminação e contágio dos profissionais de saúde e superfícies. Apenas será feito em casos isolados consoante necessidade. A restante observação médica é idêntica ao habitual num contexto de urgência.


Após observação e avaliação, será analisada a relevância da realização de teste. Se tiver indicação para o fazer, ficará num gabinete fechado enquanto aguarda a sua preparação. Depois de serem feitas as colheitas, há uma de três hipóteses:


  • Tem alta para o domicílio se tiver boas condições para isolamento em CASA, se não conviver com pessoas com mais de 65 anos ou grávidas. A equipa de saúde vai manter o contacto para avaliar e monitorizar os sintomas diariamente, até a sua resolução. Terá o resultado do teste comunicado via telefone.

  • Tem critérios para internamento e fica isolado numa ala intermédia enquanto aguarda pelo resultado.

  • Tem indicação para ser transferido para outro Hospital, sempre que o de referência não tenha condições para receber um doente suspeito de Covid-19 ou quando a gravidade do doente justificar cuidados mais especializados


O teste deu positivo. E agora?


Agora NÃO SE ALARME. O teste confirma que tem a doença Covid-19. Lembre-se que os sintomas é que ditam a gravidade da situação e não a doença em si. Não se esqueça que a grande maioria das crianças/adolescentes têm doença ligeira a moderada. Os casos graves serão tratados como tal após avaliação médica.


Se estiver:


No domicílio:


  • O mais importante é manter as medidas de isolamento, higienização das mãos e limpeza das superfícies

  • O tratamento é igual ao de qualquer outra infeção por vírus

  • Tratar a febre com paracetamol/benuron® (medicamento de primeira linha, até de 6/6h com doses adequadas) ou ibuprofeno/brufen® (segunda linha, em SOS, apenas se necessário)

  • Reforçar a ingestão de líquidos

  • Fracionar as refeições (menos quantidades, mais vezes ao dia)

  • Limpar e lavar o nariz

  • Outros medicamentos, como a utilização de dispositivos inalatórios (“bombas”), deverão ser feitos apenas após prescrição médica. Deverá ser usada câmara expansora e NÃO deverão ser utilizados nebulizadores

  • Deve monitorizar os sintomas e a sua evolução. A equipa de saúde irá manter o contacto telefónico até resolução dos mesmos. Se a qualquer momento, houver um agravamento, siga as recomendações dadas. Se houver agravamento e não tiver tido contacto com a equipa de saúde recentemente, tente entrar novamente em contacto com o SNS24, recorra ao Serviço de Urgência ou ligue o 112, em caso de emergência.


No internamento:

  • Teste POSITIVO: irá ficar no internamento restrito aos doentes com Covid-19 e será orientado e tratado conforme a gravidade e evolução dos sintomas.

  • As crianças/adolescentes com teste NEGATIVO, irão ficar no internamento restrito aos doentes sem Covid-19 e será orientado e tratado conforme a patologia que motivou o internamento

  • O tratamento do Covid-19 é com medidas de suporte. Isto é, irão ser tratados, vigiados e controlados os sintomas individualmente. Não há nenhuma medicação oficial para curar a doença. A administração de fluídos será feita inicialmente pela veia, será dada a medicação para a febre e avaliada a necessidade de acrescentar outros fármacos dependendo dos sintomas, evolução e gravidade

  • A alta é dada quando e se for seguro o isolamento em casa, após 48-72h de estar sem febre, se tolerar as refeições e líquidos, se não estiver dependente de oxigénio, entre outras questões avaliadas diariamente pelo Pediatra.


Isolamento no domicílio (EM CASA)


O isolamento em CASA, quer seja por indicação da SNS24, após alta do Centro de Saúde, do Serviço de Urgência Hospitalar ou de um internamento por Covid-19, deverá preencher os seguintes requisitos:

  • Ter um telefone/telemóvel sempre acessível

  • Ter um termómetro

  • A criança/adolescente deve dormir em quarto separado ou cama individual distanciada das restantes, se não for possível

  • Ter uma casa de banho apenas para quem está doente, sempre que for possível. Quando não é possível, as medidas de higiene das superfícies deverão ser reforçadas

  • Água e sabão para lavagem das mãos

  • Produtos de limpeza doméstica com lixívia


Não será possível o isolamento em CASA se o doente for recém-nascido, se tomar medicação para baixar as defesas (imunodeprimidos), vivam com pessoas acima dos 65 anos ou gravidas. Nesses casos, será mantido o isolamento em regime de internamento hospitalar ou encaminhado para instituições montadas para esse efeito.


10 mandamentos


  • A idade pediátrica com Covid-19 tem geralmente sintomas leves a moderados, podendo não ter qualquer sintoma

  • Os sintomas na idade pediátrica são semelhantes à grande maioria das infeções que já tiveram ao longo da vida, como febre, tosse ou dor de garganta

  • As crianças/adolescentes com Covid-19 são um vetor importante de transmissão do vírus a faixas etárias mais vulneráveis, nomeadamente os avós e a pessoas com potencial para ter doença mais grave (doentes crónicas, imunodeprimidos) que com elas vivam

  • Não deverá levar o seu filho/a ao Serviço de Urgência de Pediatria sempre que apareça febre, tosse ou outro sintoma comum sem critérios de gravidade

  • Deverá ligar ao SNS24 (808 24 24 24) sempre que tiver dúvidas sobre o que fazer na suspeita de Covid-19, nomeadamente se febre OU tosse OU dificuldade em respirar

  • Deverá cumprir as recomendações dadas pelos profissionais do SNS24 ou do seu Médico Assistente

  • Deverá recorrer aos serviços de saúde/laboratórios/outros em carro próprio e nunca em transportes públicos. Se não tiver essa possibilidade, solicite transporte médico

  • Deverá ter sempre um telemóvel consigo e dar resposta às chamadas recebidas pela equipa de saúde que irá monitorizar os sintomas e evolução clínica do seu filho/a em casa

  • Deverá cumprir as medidas de isolamento impostas

  • Deverá proteger os seus familiares de maior risco devidamente



Cuide de si. Cuide de todos.

Autores: Carolina Germana Silva, Ana Catarina Carneiro

16,930 visualizações
Contactos

Morada: Estr. de Santa Luzia 50, 4900-408 Viana do Castelo, Portugal

Email: associacaopediatricaviana@gmail.com

 

Telefone: 258802444